Auto-ajuda e os livros

Tenho aprendido que quanto mais sou flexível comigo mesma, quando tenho reações indevidas – às vezes sou passiva demais, em outras reajo excessivamente – posso aceitar-me melhor e até manter uma atitude modesta e compenetrada. Nossas reações são como um motor que impulsiona energia, e essa energia, dependendo de sua força, que pode ser fraca ou forte, é a resposta que damos frente às peripécias da vida. No fundo podemos resumir que tudo, ou quase tudo, depende da forma de como reagimos aos problemas; tudo se resume em reações. É daí que vêm os livros de auto-ajuda, mentores exclusivos que nos ensinam o que é a vida e mostram-nos como devemos reagir frente às suas vicissitudes. Como é bom ler um livro assim capaz de nos dar receitas cabíveis e que nos deixa positiva, otimista e que nos faz acreditar ter encontrado soluções ideais para nossos problemas. Segundo seus ensinamentos, a vida parece ser encantadora, leve e fácil de viver. Contudo a vida é mais do isso e, por mais que o livro seja bom e sério, a nossa história particular e única falta no conteúdo dele. Um livro de auto-ajuda que bastante me impressionou foi o de uma mulher norte-americana famosíssima por ter vendido milhares de exemplares e já ter sido traduzida em muitas línguas, entre elas o português. A autora é extraordinária e benevolente, seus ensinamentos provêm de suas vivências, ou seja, sua história real é a base de onde sai seu conhecimento e sendo fiel a ela, como mesma escreve, acho que é séria. No fundo seus princípios podem ser reunidos num só livro – a sua extensa publicação tem que ver mais com as exigências da procura: uma vez que se obtém êxito de vendas, publica-se mais e mais para satisfazer às necessidades do mercado. Li o seu livro principal, fazendo anotações e marcando o que caía bem com as minhas fraquezas; tentei aplicar de cheio as suas instruções aos meus problemas, mas para o meu espanto, não funcionou: não me sentia verdadeira quando tentava me impor seus ensinamentos; parecia mais uma impostora, inimiga de mim mesma sob o esforço de querer me superar. Ao dar-me conta de minha decepção e incapacidade, parei farta, afastei-me da leitura e liberei-me da  pressão de querer repetir em mim o êxito dos outros. Foi o melhor que fiz e deu certo, pois adquiri mais clareza e auto-respeito; reconheci que a minha história não era a da autora e que a minha vida com acertos e desacertos estava nas minhas mãos a partir do momento em que eu mesma decidia como reagir. Resolvi então ser a minha própria autora, dando pequenos passos, mas significativos, concentrando-me mais em mim mesma  e aceitando-me tal e qual. Assim nesse processo de auto-ajuda me deparei com a pergunta capital: o que quero de verdade? Sabemos o que queremos? No fundo acho que sim, o que nos falta é querer acreditar nisso, pois até saber o que não se quer, já é um caminho para saber o que se quer. Mesmo assim para muitas pessoas responder esta pergunta chega a ser quase impossível, sobretudo para aquelas que nunca se perguntaram, apesar de que a vida já as tenha oferecido umas e outras vezes oportunidades convincentes de respondê-la.
Conheço pessoas que leem livros de auto-ajuda; leem e sentem-se bem e fortes os lendo, como se só o fato de lê-los fosse suficiente para resolver seus problemas e até acreditam  tê-los  resolvido, se não de repente não se deparassem com as velhas situações “críticas”. E? Os problemas ainda estão lá, intactos, à flor da pele. É um momento de decepção ao darem-se conta de que os seus problemas são maiores e mais fortes do que os ensinamentos dos livros e que muitas vezes nem cabem neles. Mesmo assim é aconselhável não resignar nem individualizar, pois se todo o esforço empregado não levou a resultados esperados, isto não é  prova de incapacidade, supondo que outras pessoas puderam ter sido ajudadas. É mais inteligente pensar que por mais que um livro de auto-ajuda ofereça soluções aos problemas, estas nunca são as únicas, há outros caminhos a encontrar, como fazendo uma pausa para se distanciar do problema e assim poder vê-lo com mais clareza ou procurando amigos ou mesmo buscando ajuda profissional. Entretanto o estar só comigo mesma e concentrada, procurando meu próprio caminho foi o que me levou a auto-ajudar-me, e … sem livros.

Um comentário sobre “Auto-ajuda e os livros

  1. Incrível!
    Confesso que não sou muito adepta a leitura de livros de auto-ajuda e ainda aconselho meus alunos na hora da escolha “qualquer um menos auto-ajuda”! E quando a vi iniciando seu texto sobre tal me passou: oh não auto-ajuda não! E vc os descreve exatamente como acontece… O fascínio pelas mirabolantes formas de como ajudar milhares de pessoas, grande parte desse público mulheres que pouco conhecem a si mesmas, que pouco se permitem! Li alguns livros de auto-ajuda (poucos graças a Deus kkkk) e mesmo achando que aquilo tudo muitas vezes apresentava-se utópico e até ridículo (os que li foram sobre casamento oh céus, devem ser os piores kkkk) e falo com veemência pois os li até o fim e digo me conheci melhor quando os abandonei exatamente como descreve tão bem e de forma real como vc mesma descreve… “sem livros”!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s