Quando a inocência não convence – uma lembrança a Meredith Kercher que não merecia ter morrido tão cedo

           

Amanda Knox, uma jovem americana, estudante de italiano na universidade, tinha 20 anos quando ficou conhecida na mídia, sobretudo a sensacionalista, pela morte de sua companheira de casa, a jovem inglesa e também estudante Meredith Kercher, brutalmente assassinada na noite do primeiro ao dois de novembro de 2007 na cidade italiana de Perugia. Até hoje não há precisão da data, mas é fato que Amanda Knox foi acusada por ter participado do crime juntamente com seu namorado, Raffaelle Sollecito, de 23 anos.

O caso Meredith kercher virou sensação na mídia internacional, mas todos estavam assombrados com Amanda Knox, a moça de aparência singela, mas de olhar frio, sem expressão de compaixão. Esta também foi minha impressão na época desde a primeira vez que vi sua foto – tive medo de seu olhar estancado, ela pareceu-me arrogante e superficial: li que Amanda gostava de estar no centro das atenções como querendo fazer da situação um show para a televisão. Se certo isso, talvez só no início, quando ela ainda não avaliava bem a fundura do poço onde tinha se metido. Depois comecei a ver fotos de Amanda chorando, parecendo mais uma menina desconsolada sem o brinquedo que lhe haviam tirado. Até hoje me pergunto por que Amanda Knox não constituiu um advogado, nem passou por um detentor de mentiras. O primeiro a teria defendido nos interrogatórios, e o segundo teria ajudado a fechar o caso mais objetivamente.

Os muitos artigos que apareceram após sua absolvição final, defendem-na em absoluto enquanto a veem sozinha na Itália e vítima da inescrupulosa e ineficiente polícia italiana – só que todos têm direito a um advogado, não? E onde estava então a família de Amanda? Ela própria afirmou que foi maltratada fisicamente – uma policial lhe bateu na nuca – além dos incansáveis interrogatórios que a deixaram esgotada – uma tortura psíquica para acabar com a sua amnésia: Os políciais de Perugia achavam que Amanda sabia quem era o assassino de Meredith Kercher e alegavam que ela tinha estado presente no momento do crime. Foi nessa fase do inquérito que Amanda Knox se comprometeu com suas próprias palavras: como em transe, perturbada por pensamentos, lembranças e imagens, ela disse que ouviu gritos, acusou seu chefe, Patrick Lumumba, o dono do bar Le Chic, onde ela dava umas horas de garçonete; e confundindo a realidade com sonho, não sabia mais o que dizer, passando a responder as perguntas com constantes „não sei“. O objetivo dos interrogatórios é arrancar a verdade, a confissão da boca do acusado, por isso e para isso existem métodos ilícitos também, nos quais policiais fazem concordatas, negociam com malfeitores por falsos testemunhos, forçam a confissão custe o que custar. O extremo desses procedimentos é abjeto e desonesto, e Amanda Knox sente-se vítima deles por ter sido levada a fazer declarações indevidas – é a sua bandeira – a de vítima de métodos injustos, e não a de ter sido culpada pela polícia de Perugia da morte de Meredith Kercher.

De 2009 a 2015 Amanda Knox e seu então namorado, Raffaele Sollecito foram julgados quatro vezes até chegarem à ultima instância onde foram absolvidos:

– A primeira condenação foi de 26 anos por indícios de culpa no crime;
– em 2011 um tribunal de apelação lhes concedeu liberdade, pois o veredicto contra eles „não estava apoiado em nenhuma evidência objetiva“, e Amanda volta para os Estados Unidos;
– em 2013 a corte suprema lhes retira a absolvição e determina um terceiro processo;
– em 2014 o julgamento termina por culpar os dois e aumenta a pena de Amanda para 28 anos e seis meses;
– em 2015 Amanda Knox e Raffaelle Sollecito finalmente foram declarados inocentes.

Que surpreendente e raro foi este resultado final. É a prova de que o trabalho policial tinha fracassado por não ter apresentado provas limpas que garantissem os resultados dos testes de DNA. Isso faz-me lembrar o caso da menina Madeleine McCann, sequestrada no sul de Portugal, na Praia da Luz também em 2007, e também aí a polícia portuguesa fracassou, perdendo-se em investigações que não conduziram a nada, e até hoje a criança não foi encontrada, e nem seu sequestrador. Entretanto Amanda Knox recebeu 18 mil euros como recompensa pelos desastrosos processos, e Rudy Guede, o terceiro envolvido no crime de Meredith Kercher, foi o único acusado como autor absoluto do homicídio porque seu esperma foi encontrado no corpo da jovem. Apesar disso a verdade não apareceu como triunfante; a inocência de Amanda e Sollecito não pareceu convencer, e eu não deixei de me interessar pelo caso, porque o intuo incompleto e impreciso – é que para mim e para muitos a história ainda não foi contada de verdade.

Amanda Knox voltou à Italia no ano passado para participar de um encontro – o Festival della Giustizia Penale – em Modena, e voltou a ser o foco das atenções da imprensa em geral que tentava captar em minúcias seus gestos. Ela apareceu incômoda em frente à mídia e tanto foi estrela como criticada. Esse evento foi organizado pela faculdade de direito local e o renomado projeto americano Innocence Project da Itália. Este projeto – Non-Profit – atua desde 1992 em favor de encarcerados por erros judiciais, e é conhecido por já ter salvado pessoas de prisão perpétua ou pena de morte. Sem Amanda Knox nesse encontro, este estaria reduzido a um pequeno público. Elena Ranzini, do comitê de organização explicou que Amanda “é um símbolo de um processo feito pela mídia de massa.” Eu assisti por vídeo a sua apresentação: lá estava Amanda Knox sentada imóvel, as mãos bem arrumadas – parecendo mais uma membra de uma família real – de frente para o público, mas sem encará-lo, apenas absorta todo o tempo no apresentador enquanto ele fazia a sua introdução. Quando começou a falar teve que se interromper pelo choro. Armada de um lenço, perguntei-me por quem chorava Amanda? Pela tragédia passada ou por ela mesma? No fundo a vítima foi Meredith Kercher que perdeu a vida, e sua família a perdeu, enquanto Amanda depois de ser aplaudida pôde recomeçar seu discurso. Falou em italiano, com voz áspera e trêmula que a dramatizou como num perfeito cenário italiano, e para mim mais grotesco que comovente de verdade. Por que ela não me sensibilizou? É que Amanda só falou dela mesma e de todas as injustiças que passou e ainda passa; de Meredith, sua única menção a ela foi para defender-se de que só com a sua presença na Itália, ela estava traumatizando a família Kercher e profanando a memória de Meredith. “Estas pessoas estão erradas. Há pessoas que gostam dessa estória, que sou psicopata, Foxy-Knoxy.” – Nada mais. A família Kercher já disse que não permitiria a visita de Amanda à tumba de Meredith – tem razão. Para quê? Para promover mais a sua própria versão usando a memória de Meredith? – Isso pareceria mais uma conveniência para o ego do que respeito mesmo.

Por outro lado seria demais esperar de Amanda que ela tivesse feito lá em Modena um paralelo entre dois destinos: o dela – marcado por um passado que a persegue, mas mesmo assim ela segue jovem e com vida; e o de Meredith, que por intenções e atos assassinos perdeu muito jovem a sua vida? Acho que sim, e é neste ponto que ela me decepciona, não me convence de sua inocência total e não me dá chance de ser compassiva.

Amanda Knox amadureceu desde que saiu da prisão em 2011; ela continuou os estudos, escreveu livros, entrou para trabalhar num jornal, casou e goza de sua liberdade. Contudo sua absolvição não a salvou: „ O mundo decidiu que eu sou culpada, e assim ficou“; o passado é a sua pesada cruz carregada como um carma quando é perguntada se foi ela quem matou Meredith: „ É que me desagrada sempre ter que repetir isso como se toda vez que sou perguntada, a minha resposta não vale“. – Se a ela desagrada ter sempre que dar respostas e explicações, não devia esquecer que a tragédia da família de Meredith é ter a sua morte sempre na lembrança.

A inocência não é algo concreto, é o estado da pessoa sem culpa de algo cometido anteriormente; por isso a inocência deve ser provada tanto pela pessoa já acusada, como pelos que a defendem. E assim começa o grande teatro dos julgamentos, como um palco estruturado e encenado por diversas partes, cada uma com o seu papel. Eu acho que Amanda Knox foi absolvida mais por inocência presumida que por falta de evidências nas provas. Segundo Renato Brasileiro de Lima no Manual de Processo Penal „ Não havendo certeza, mas dúvida sobre os fatos em discussão em juízo, inegavelmente é preferível a absolvição de um culpado à condenação de um inocente, pois em juízo de ponderação, o primeiro erro acaba sendo menos grave que o segundo.“ Isto é o que se chama de O Princípio da Presunção de Inocência, adequando-se muito bem ao seu caso.

Amanda fez uma introdução para o documentário sobre ela e o caso Meredith no Netflix – não gostei nada. É sempre a mesma posição dela implacável de defesa: ou se acredita nela ou não, pois não há nada entre as duas coisas; sendo culpada, seria ela a pessoa mais atemorizante que existe, justamente porque ela não caberia nos esquemas; mas sendo inocente, significa que isso poderia passar com qualquer pessoa, e por isso as pessoas sentem medo. E concluindo diz que ela ou é uma psicopata disfarçada, ou ela é nós; ou seja, qualquer um de nós. Pergunto-me se isso poderia realmente passar com qualquer um de nós, pois soa até como uma ameaça.

No fundo eu acho que Amanda Knox teve muita sorte por não ter perdido sua juventude na prisão em comparação com Meredith Kercher que perdeu sua vida. Contudo sua inocência no crime não a salvou, pois sua culpa não foi provada por meio de „evidências objetivas“ e portanto ainda a persegue; e como eu já disse, a história do assassinato de Meredith Kercher deve ser recontada, e quem sabe vamos conhecer ainda a verdade.

Próximo texto: 8/12/20

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.